quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Daniel Craig não agrada a todos como 007

Não adianta, o novo 007 divide opiniões no mundo inteiro. O agente secreto James Bond, dessa vez interpretado pelo ator inglês Daniel Craig, segue a saga do personagem batendo recordes de bilheterias, o que na verdade funciona como um termômetro de aceitação do público em relação ao filme e ao novo intérprete. Sean Connery, Roger Moore e Pierce Brosnan também reinaram durante muitos anos no papel do agente. O único a amargar o desgosto de Bond, foi George Lazenby, com apenas uma participação.

O que vamos debater, no entanto, é sobre a mutação do personagem. Há de se concordar que a primeira mudança aparente é ele ser loiro e o corpo de Hércules do novo Bond. Os outros intérpretes ficam parecendo pessoas saídas de uma gripe perto de Craig, que malhou incessantemente antes de colocar um dos smokings (dois números maiores pelo menos) feitos sob medida.

Craig não faz Bond perder seu vício pelo álcool (Se Fleming estivesse vivo, já deveria estar pensando num transplante de fígado), porém o charme, segundo a maioria das mulheres, esqueceram dessa vez. O ator inglês tem um olhar duro, rude e de poucos amigos. Apesar do corpão, fica parecendo um lutador de vale-tudo, faltando apenas as “orelhas de chiclete mascado”. Não gosta muito de dialogar com seus desafetos e resolve tudo no tapa, o que acaba sempre com um infeliz destroçado depois de uma bela surra. Craig apanha, é envenenado, toma facadas, é metralhado, é queimado, é torturado e resolve tudo com band-aids.

Uma amiga minha brasiliense, nessa semana, colocou sua enérgica e quase ortodoxa posição em relação ao novo 007 e, em especial, ao 22º filme da série, Quantum of Solace.
Que 007 é esse? Daniel Craig e a Columbia Tristar Warner acabaram com qualquer resquício do charme, elegância e inteligência que os antecessores Brosnan e Connery deram ao agente mais famoso do cinema. Cassino Royale estreou como sucessor de Planeta dos Macacos. E Quantum of Solace não fica atrás. O que conta agora é gritar com mulher, jogar amigo na lixeira, bater e apanhar... Muito! Tramas? Existe alguma? Sem conexão, rodeada de assuntos particulares de um personagem cheio de complexos e sem relevância para a própria Inglaterra. O cara é feio, bruto, rude, burro e nem sex appeal tem! FORA DANIEL CRAIG! – por Daniela Morato”
O filme é explosivo, sangrento e segue a simetria das histórias originais de Fleming. Tanta violência acaba perdendo a razão da história: um agente secreto a serviço do MI-6 com objetivo de proteger o mundo de bandidos megalomaníacos.

Se isso serve de consolo para a oposição, Craig no ano que vem deve fazer o papel do Diabo, num filme intitulado “I, Lúcifer” ou “Eu, Lúcifer”, o qual Deus dá uma chance ao Diabo de se redimir. Para muitas, bem a cara dele.
Entretanto, o pior ainda pode estar por vir. Craig recentemente disse que gostaria de ver o príncipe Harry no papel de James Bond no futuro. Aquele mais tortinho, cabelo vermelho e segundo filho do príncipe Charles com a princesa Diana. Esse deve ficar irresistível no papel de sedutor.
Postar um comentário